segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Quase metade dos municípios decretou emergência ou calamidade de 2003 a 2016


Entre os anos de 2003 e 2016, praticamente metade dos 5.570 municípios do país foi obrigada a decretar, pelo menos uma vez em sete anos diferentes, situação de emergência ou estado de calamidade pública em virtude de secas e estiagens. De acordo com o relatório pleno de Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil 2017, divulgado hoje (4) pela Agência Nacional de Águas (ANA), do total de cidades afetadas por longos períodos sem chuva, 1.794 são da Região Nordeste.

No mesmo período, de acordo com o relatório, 48 milhões de pessoas foram afetadas por secas (duradoura) ou estiagens (passageiras) no Brasil. Ao todo, foram registrados 4.824 eventos de seca com danos humanos. Somente no ano passado, 18 milhões de habitantes do país foram afetados por fenômenos climáticos que provocaram escassez hídrica. Desse total, 84% viviam na Região Nordeste.

Ainda conforme o relatório, o Nordeste registrou 83% dos 5.154 eventos de secas registrados no país entre os anos de 2003 e 2016, que prejudicam a oferta de água para abastecimento público, geração hidrelétrica, irrigação, produção industrial e navegação.

Em sua terceira edição, o relatório pleno de Conjuntura dos Recursos Hídricos é composto por dados de mais de 50 instituições parceiras da ANA e faz uma radiografia da situação das águas do país.

Conforme o levantamento, secas e cheias representaram 84% dos quase 39 mil desastres naturais entre 1991 e 2012, afetando cerca de 127 milhões de brasileiros. No período de 1995 a 2014, as perdas decorrentes desses problemas chegaram a R$ 182,7 bilhões. Em media, os prejuízos são de R$ 9 bilhões por ano ou aproximadamente R$ 800 milhões por mês.

Enxurradas

Se a seca causou impacto nas cidades nordestinas, o relatório mostra que as fortes chuvas e as cheias atingiram especialmente municípios do Sul do país. Entre 2003 e 2016, 47,5% dos municípios do país declararam situação de emergência ou estado de calamidade pelo menos uma vez por causa de cheias. Desses, 55% (1.435) ficam no Sudeste ou no Sul.
“Ao contabilizar eventos de cheia, o Conjuntura informa que entre 2013 e 2016 um total de 7,7 milhões de brasileiros sofreram com os impactos dos diferentes tipos de cheias: alagamentos, enxurradas e inundações. Apenas em 2016, cerca de 1,3 milhão de habitantes sofreram com a água em excesso” diz trecho do relatório.
No período, Santa Catarina e o Rio Grande do Sul tiveram 44% dos registros de eventos de cheias associados a danos para pessoas no país.

Consumo

De acordo com o relatório, em média, por ano, do total de água retirada dos rios, córregos, lagoas, lagos e reservatórios no país, 46,2% vão para irrigação, 23,3% para abastecimento urbano, 10,3% para termoelétricas, 9,2% para a indústria, 7,9% para abastecimento animal, 1,6% para abastecimento rural e o mesmo percentual para mineração.

Do total de água consumida no país, 67,2% são utilizadas para irrigação, 11,1% no abastecimento animal, 9,5% na indústria, 8,8% no abastecimento urbano, 2,4% no abastecimento rural, 0,8% na mineração e 0,3% nas termoelétricas.


Segundo o estudo, a demanda por uso de água no Brasil é crescente, com aumento estimado de aproximadamente 80% no total retirado de água nas últimas duas décadas. “Até 2030, a previsão é de que a retirada aumente em 30%”, mostra o relatório. De acordo com a ANA, a evolução do uso da água está diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico e ao processo de urbanização do país.

(com Radiobrás)

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Prova para os Cursos Técnicos do IFF neste domingo


O Instituto Federal Fluminense (IFF) vai aplicar a prova objetiva do Processo Seletivo de Ingresso nos Cursos Técnicos de Nível Médio 2018/1.º semestre neste domingo, 03 de dezembro de 2017, das 09h30 às 12h30, nos seus diversos campi e em alguns espaços cedidos para o Instituto (confira a lista abaixo).

 Ao todo, 12.927 candidatos concorrem a 2.920 vagas, distribuídas pelos campi Avançados Cambuci, Maricá e São João da Barra e os campi Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio, Campos Centro, Campos Guarus, Itaperuna, Macaé, Quissamã, Santo Antônio de Pádua e a Unidade de Formação de Cordeiro.

Os candidatos deverão chegar ao local apontado no Cartão de Confirmação de Inscrição 60 minutos antes do início da prova, portanto, às 8h30, munidos de seu documento original de Identificação Oficial com foto, Cartão de Confirmação de Inscrição, indispensáveis para sua identificação, e caneta esferográfica de tinta preta. A impressão do Cartão de Confirmação estará disponível até o dia 01 de dezembro, nos endereços https://inscricoes.iff.edu.br/candidatos/sign_in ou www.selecoes.iff.edu.br. Para imprimi-lo, é preciso informar CPF e senha e, na área “Minhas inscrições”, clicar em “Emitir cartão de confirmação”.

 O Processo Seletivo para os Cursos Técnicos de Nível Médio será desenvolvido em etapa única, que compreende prova objetiva de múltipla escolha, com 40 questões.

Os cursos com maior concorrência são o Técnico Concomitante em Informática do Campus Campos Centro, com 409 candidatos para 20 vagas, totalizando 20,4 candidatos/vaga, e o Técnico Subsequente em Enfermagem do Campus Campos Guarus, com 544 inscritos para 30 vagas, totalizando 18,1 candidatos/vaga.

 “Nossas expectativas são muito positivas. Sabemos do anseio por parte da sociedade, pelo nosso Processo Seletivo, em especial dos candidatos que buscam, através deste processo, ingressar em um dos diversos cursos da nossa Instituição”, destaca Marcelo Sarmento, diretor de Gestão Acadêmica e Políticas de Acesso do IFFluminense.

O Instituto divulgará, no dia 03 de dezembro de 2017, após as 18h, o gabarito da prova, no endereço eletrônico www.selecoes.iff.edu.br.

Locais de realização da prova:

  • Campus Avançado Cambuci
Colégio Estadual Municipalizado Professor Manoel Gonçalves Ramos Junior – Rua Vicente Belo, N.º 294, Centro – Cambuci/RJ.

  • Campus Avançado Maricá
CEM Joana Benedicta Rangel – Rua Nossa Senhora do Amparo, N.º 240, Centro – Maricá/RJ.

  • Campus Avançado São João da Barra
IFF ­ Campus Avançado São João da Barra – Rodovia BR 356, KM 181, Povoado Perigoso – São João da Barra/RJ.

  • Campus Bom Jesus do Itabapoana
IFF ­ Campus Bom Jesus do Itabapoana – Av. Dário Vieira Borges, N.º 235, Pq. Trevo – Bom Jesus do Itabapoana/RJ.

  • Campus Cabo Frio
IFF ­ Campus Cabo Frio, - Estrada Cabo Frio – Búzios, s/n, Baía Formosa – Cabo Frio/RJ.
UNOPAR – Avenida Assunção, N.º 682, Centro – Cabo Frio/RJ.
Escola Municipal Américo Vespúcio – Rua Theonas Terra, N.º 70, Parque Burle – Cabo Frio/RJ.

  • Campus Campos Centro
IFF ­ Campus Campos Centro – Rua Dr. Siqueira, N.º 273, Parque Dom Bosco – Campos dos Goytacazes/RJ.
Universidade Salgado de Oliveira – Av. 28 de Março, N.º 856, Pq. Tamandaré – Campos dos Goytacazes/RJ.

  • Campus Campos­ Guarus
IFF ­ Campus Campos Guarus – Av. Souza Mota, N.º 350, Parque Fundão – Campos dos Goytacazes/RJ.
Colégio Estadual Doutor Felix Miranda – Rua Rio Bonito, N.º 152, Pq. Guarus – Campos dos Goytacazes/RJ.

  • Campus Itaperuna
IFF ­ Campus Itaperuna – BR 356, KM 3, Cidade Nova – Itaperuna/RJ.

  • Campus Macaé
IFF ­ Campus Macaé – Rodovia Amaral Peixoto, KM 164, Imboassica – Macaé/RJ.
Colégio Estadual Matias Neto – Rua Conde de Araruama, N.º 439, Centro – Macaé/RJ.
Colégio Estadual Luiz Reid – Rua Teixeira de Gouveia, N.º 942, Centro – Macaé/RJ.

  • Campus Quissamã
IFF ­ Campus Quissamã – Av. Amilcar Pereira da Silva, N.º 727, Piteiras – Quissamã/RJ.

  • Campus Santo Antônio de Pádua
IFF ­ Campus Santo Antônio de Pádua – Rua João Jacbick, S/N, Aeroporto, Santo Antônio de Pádua/RJ.

  • Unidade de Formação de Cordeiro
Escola Municipal José Pinho de Carvalho – Rua Adoasto Pires Neves, s/n, São Luiz, Cordeiro/RJ.

(com assessoria)

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Apesar de Pezão, UENF resiste bravamente


O esforço que o governo Pezão vem fazendo para inviabilizar a educação pública de qualidade no Estado do Rio de Janeiro não foi suficiente para impedir que a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) mantivesse seu lugar de destaque – que vem de anos – no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado nesta segunda-feira.

Tanto que mesmo enfrentando problemas para manutenção, atraso no pagamentos dos vencimentos de todos os servidores, entre outras situações que caracterizam a pior crise enfrentada desde sua criação, ocasionada pela falta de repasses de recursos por parte do governo estadual, a UENF é apontada como a 12ª Universidade do país, segundo o Índice Geral de Cursos (IGC). Detalhe importante é que foi a primeira vez que a UENF atingiu o ICG-5, que é maior pontuação da escala que mede o desempenho das instituições de ensino superior do Brasil.

A conquista da UENF pode ser conferida em O Globo (aqui) e no blog Na Curva do Rio, da jornalista Suzy Monteiro, na Folha da Manhã (aqui).

Idealizada por Darcy Ribeiro, a Uenf, também conhecida como a Universidade do Terceiro Milênio, era um sonho antigo da população campista e regional e desde que foi fundada, há 24 anos, vem tendo papel de destaque no meio científico, por conta das pesquisas de ponta que desenvolve.

Atualmente, enfrenta uma greve dos servidores por causa do atraso no pagamento de agosto, setembro e outubro nos seus vencimentos, fora o 13° do ano passado, sem data definida para serem quitados.

Além da UENF, enfrentam problemas também a UERJ e a UEZO, que igualmente são mantidas com recursos estaduais. As três universidades participam do movimento Supera Rio, que se mobiliza para reverter o quadro caótico em que se encontram.

Em tempo: Pezão não é o único que vem tratando a educação com descaso. Em todo o país, a comunidade científica vem sofrendo com a política de corte de gastos implantada por Michel Temer e vários programas foram afetados.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Documentário sobre o Monitor Campista será lançado no Museu, nesta terça



O documentário “Monitor 183”, desenvolvido por um grupo de alunos do curso de Comunicação Social do Centro Universitário Fluminense (Uniflu), vai ser lançado nesta terça-feira (21/11), às 19h, com exibição no Museu Histórico de Campos, na Praça São Salvador. O material é fruto de uma demanda levada ao curso pelo professor e presidente da Associação de Imprensa Campista (AIC), Vitor Menezes, extraída na primeira reunião realizada no Arquivo Público Municipal Waldir Pinto de Carvalho, no primeiro semestre deste ano, envolvendo ex-funcionários e representantes do próprio Arquivo, pesquisadores e a AIC.O objetivo é trazer reflexão sobre a necessidade de reativar o Monitor Campista, jornal que encerrou as atividades por decisão do grupo Diários Associados Assis Chateaubriand em 15 de novembro de 2009, mesmo a empresa estando operando no azul.


O trabalho, que durou aproximadamente quatro meses, tem 26 minutos de duração e foi desenvolvido por seis alunos do 7° período do curso, que participaram da pesquisa e ouviram 11 pessoas, entre ex-funcionários do jornal (fotógrafos, repórteres e editores), além de uma historiadora, uma colunista e uma antropóloga. O roteiro ficou a cargo do professor Mozarth Dias, enquanto a pós-produção e finalização couberam ao professor Victor Hugo Berenger – com imagens de Armando Ribeiro e edição de Maurício de Castro, ambos do Uniflu. O trabalho é dos alunos Aline Mendes, Geovana Barcelos, Jhony Diorel, Marília Faria, Tatiana Martins e Romário Junior.  A projeção será precedida pelo curta "Correntes", do 8° período, seguida de debate.

– O nome do projeto é ‘Monitor 183’ porque o jornal teria hoje 183 anos e seria o segundo mais antigo do Brasil – quando fechou, era o terceiro mais antigo do país e o quinto da América do Sul. E também vendo essa necessidade de trazer, de relembrar a história que o jornal contou em quase dois séculos. Isso sem falar na importância de deixar viva essa busca pela implantação da marca Monitor Campista no cotidiano do morador da cidade, como mídia alternativa. É uma busca para comover entidades e também empresários, buscar essa discussão para reativar uma mídia que traga informações isentas de qualquer tipo de influência. Na realidade, a gente está trazendo à tona um debate sobre o fatídico fechamento do Monitor Campista, para tentar comover a população e as entidades que tanto tinham a colaboração desse jornal – informa Mozarth.


O documentário mostra a opinião de ex-funcionários que atuavam na empresa na época do fechamento e também fala sobre o reflexo da realidade midiática da região, preocupação também dos profissionais de mercado que participaram do projeto.

O curso de Comunicação também realizou um seminário sobre o tema, aberto a todos os alunos. Para este ano, estavam previstas uma exposição no Arquivo Público Municipal e uma edição especial do jornal, mas que, por motivos alheios à vontade das pessoas envolvidas na mobilização, não puderam acontecer.


O fechamento – O Monitor Campista foi fechado pelo Grupo Associados em novembro de 2009, mesmo operando com finanças capazes de bancar suas atividades. Naquele ano, o jornal deixava de circular o Diário Oficial da Prefeitura de Campos, o que deu um baque nas finanças da empresa. Após o encerramento das atividades, chegou-se a fazer um movimento pela reabertura do jornal, tendo inclusive havido uma tentativa de arrecadar recursos para a compra da marca Monitor Campista, que não conseguiu o valor exigido pelo presidente do Jornal do Commercio, Maurício Dinepi, que, anos depois, a cedeu (confira aqui) gratuitamente para a própria prefeitura.


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Pobre cidade rica



Num momento de crise e quando a população leva mais uma garfada com bandeira vermelha no consumo de energia elétrica, o blog flagrou, nos últimos dois dias (terça e nesta quarta-feira, 15/11), trecho da Rodovia RJ-216 (que liga Campos a Farol de São Thomé), entre o Parque Imperial e a Usina Santo Antônio, com as luzes dos super postes acesas, conforme mostram as fotos flagradas nos dois sentidos.


Convenhamos, um desperdício injustificável.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Rotary promove passeio ciclístico em Campos neste domingo, dia 22

Não é novidade pra ninguém que o ciclismo é uma prática que vem tendo, a cada dia que passa, mais adeptos em Campos. E, para os amantes desse esporte, uma boa oportunidade para exercitar é o Passeio Ciclístico promovido pelo Rotary Club de Campos dos Goytacazes-Planície, que acontece no próximo domingo, 22/10, tendo como concentração a pracinha do Canhão, no Centro, a partir das 7h.

O Passeio Ciclístico também visa lembrar sobre a importância do combate à poliomielite, cujo dia mundial acontece em 24/10, mas como cairá numa terça-feira, o Rotary optou em antecipar a conscientização.

Confira abaixo mais informações sobre o evento:


terça-feira, 10 de outubro de 2017

Carrinhos de Rolimã no "1° Largadão da Tribo", no Dia da Criança


Quem viveu numa época em que os carrinhos de rolimã garantiam diversão pra toda a garotada tem uma ótima oportunidade de matar as saudades dessa brincadeira que acompanhou muitas gerações. E quem nunca viu, também terá a chance de ver o que é uma boa brincadeira.

É que para aproveitar o Dia da Criança, a ser comemorado nesta quinta-feira, 12/10, a igreja Tribo de Gade vai promover o “1° Largadão da Tribo”, que contará com brincadeiras na condução de carrinhos de rolimã.

O evento vai começar às 14h30, quando um trecho da rua João Maria, próximo ao campo do Ipiranga, será fechado até a Avenida Arthur Bernardes, no Capão, em Campos dos Goytacazes, para dar lugar aos carrinhos.

De acordo com a organização do evento, será uma boa oportunidade voltada para o relacionamento familiar por meio de brincadeiras saudáveis.

Para participar é só se inscrever na página no seguinte endereço: www.facebook.com/profile.php.